Um aniversário para marcar um recomeço

Nostalgia e muita gratidão por cada pessoa que está por aqui

Um aniversário para marcar um recomeço

Há três anos, depois de participar pela primeira vez de uma Bienal, Maria Freitas, nossa criadora, entrava em um ônibus de volta para casa com uma cabeça cheia de sonhos. Um deles é o Cadê LGBT, esse projeto lindo, que nos enche de orgulho.


O Cadê nasceu como um catálogo de livros que era um quadro no antigo canal da Maria. Depois que ela voltou da Bienal do Rio em 2019, já foi logo criando a página no Twitter. No final de semana seguinte, aconteceu a tentativa de censura de livros LGBTQIAP+ e aquilo fez a nossa vontade de mostrar esses livros para o mundo crescer ainda mais.


Apesar de naquela época já existirem alguns livros com representatividade, fato que foi comprovado pela quantidade de livros que o Felipe Neto distribuiu, ainda era difícil encontrar certas vivências nessas histórias.


Três anos depois, obviamente esse cenário ainda não é o ideal, mas as coisas já melhoraram tanto que, mesmo nossas listas maiores, com muitas indicações, não são capazes de reunir histórias o suficiente, e isso é bom demais!


Vivemos um início de Cadê LGBT muito bom, mas as coisas desandaram no meio do caminho e precisamos parar algumas vezes. O Cadê chegou muito perto do fim, depois disso, nunca mais conseguimos nos recuperar 100%. 2022 tem sido um recomeço lento, cheio de tropeços, mas com muita vontade de fazer esse projeto acontecer de novo.


No meio disso tudo, a Bienal de São Paulo foi essencial.


Nascemos na Bienal do Rio e tivemos vontade de renascer na Bienal de São Paulo.


E cada novo respirar desse projeto tem um pouquinho de cada pessoa que não desistiu da gente. Seremos eternamente gratos a cada amigo que ficou do nosso lado e entendeu que a gente não precisava descansar, a gente precisava de apoio. E tivemos muito mais do que seremos capazes de agradecer.


A história do Cadê está apenas começando. Precisamos de você para levar esse projeto adiante. Muita coisa já aconteceu, estamos tentando nos reencontrar em meios a esses algoritmos e muita coisa ainda vai mudar. Mas a gente precisava vir aqui firmar um compromisso com você que lê e, principalmente, com você que escreve: nossas portas estão abertas.


Quer vir com a gente nesse recomeço? Seja bem-vinde!